CLIPPING

PwC: fusões e aquisições batem recorde histórico de operações em 2020

Luis Alberto de Paiva comentou no jornal Correio Braziliense dados recentes da PwC, sobre fusões e aquisições em 2020. Para o executivo, depois de um período mais crítico da pandemia, os papéis das companhias estavam relativamente baratos e, para 2021, há projeção de um ano de dificuldade. O planejamento não é acelerar o crescimento, mas focar na liquidez. "As pessoas buscam negócios que trazem uma melhor rentabilidade e o mix de atuações para seu portfólio de ação. E o capital de terceiros é mais em conta que capital próprio, ou seja, adquirir uma nova empresa para crescimento é, muitas vezes, mais viável do que esperar o período necessário para esse tipo de alavancagem”, diz Paiva.

Publicada por: Correio Braziliense

Leia mais

Pressionadas pelo dólar, dívidas de empresas atingem pico de 60,5% do PIB

Em entrevista recente à Agência Estado, Luis Alberto de Paiva comenta o resultado de um profundo levantamento sobre o endividamento de empresas no Brasil, feito pelo Centro de Estudos do Mercado de Capitais (Cemec/Fipe). Em 2020, o total chegou a R$ 4,3 trilhões, o equivalente a 60,5% do PIB. Em dezembro de 2019, o índice estava em 51,2%. A alta do dólar e a busca de fortalecimento do caixa os responsáveis pela alta. Segundo Paiva, o cenário será ainda mais crítico este ano. A notícia repercutiu bastante em grandes veículos, como os jornais Gazeta do Povo, A Gazeta, Revista Exame e Isto É Dinheiro, além de portais como UOL e Infomoney, entre outros.

Publicada por: O Estado de S.Paulo

Leia mais

Oi, MMX, Saraiva: empresa em recuperação envolve riscos e oportunidades

Confira a participação de Luis Alberto de Paiva em matéria da Revista Exame sobre investimento em empresas que entraram em recuperação judicial

Publicada por: Exame Invest

Leia mais

País pode ter outro ano de recessão em 2021, diz Luís Alberto de Paiva

Luis Alberto de Paiva disse em entrevista do Poder 360 que 2021 pode ser outro ano de recessão, projeta queda do PIB em 1,5% e alta taxa de desemprego. Segundo o executivo, o pior quadro é sempre daquela empresa que declara impossibilidade de pagar suas dívidas, entram com pedido de autofalência ou os credores pedem sua falência. "Se pegarmos os dados históricos de empresas pedindo falência no Brasil, percebemos que ainda está no nível 10% abaixo de 2019, mas os últimos dias e as últimas semanas têm mostrado uma aceleração muito grande", diz Luis.

Publicada por: Poder360

Leia mais

Como a família Breithaupt se desdobra para salvar negócio de quase 100 anos

Matéria publicada pelo Diário do Comércio.

Publicada por: Diário do Comércio

Leia mais